San Tiago Dantas

A linha do tempo desenhada abaixo, com a justaposição da cronologia de San Tiago Dantas aos fatos nacionais e internacionais mais marcantes no período de sua vida, permite visualizar com clareza os interesses e escolhas que predominaram nas diversas fases de sua carreira: de 1930 a 37 a sua opção no conflito comunismo/fascismo – resultante da consolidação da revolução russa, do surgimento do fascismo, do nazismo, e da subida ao poder, na década anterior, de Stalin, Mussolini e Hitler – com a participação na Ação Integralista; de 1937 a 45, imediatamente antes e durante a segunda guerra, a decepção com o integralismo e a imersão na vida acadêmica, com a conquista das diversas cátedras e a direção da Faculdade Nacional de Filosofia; de 1945 a 1959, a dedicação ao trabalho como advogado e como jurisconsulto na área internacional, simultaneamente com a atividade empresarial nas diretorias do Banco Moreira Salles e do Jornal do Commercio (esta última vista já como preparo para a fase seguinte); e finalmente de 1959 a 1964 o mergulho total na vida política e na atuação internacional, durante a guerra fria, com a política externa independente.

1911

Nascimento, no Rio de Janeiro, filho de Raul de San Tiago Dantas e Violeta de Mello San Tiago Dantas.

Grande Guerra

1914 a 1918

Revolução Russa (Outubro de 1917)
Gripe espanhola

1917-18

Revolta dos 18 do forte
Stalin assume o poder na URSS

1922

Mussolini assume o poder na Itália
Hitler – O Putsch de Munique

1923

1928

Ingressa na Faculdade de Direito da Universidade do Rio de Janeiro.

Revolução de 30 no Brasil – Getúlio assume

1930

1931

Redator-Chefe do jornal A Razão que se fundou em São Paulo, naquele ano, e que foi empastelado e incendiado em 23 de maio de 1932.

1932

Diplomação em Direito pela Faculdade Nacional de Direito do Rio de Janeiro.

Oficial de Gabinete do primeiro Ministro da Educação e Saúde, Francisco Campos.

Nomeação para a Cátedra Interina de Legislação e Economia Política da Faculdade de Arquitetura.

1932 a 1937

Participação na Ação Integralista Brasileira.

Hitler assume o poder

1933

A partir de novembro de 1933, passa a ser, junto com Hélio Vianna, um dos redatores-chefes da Revista Econômica, órgão oficial da Caixa Econômica Federal.

1ª eleição de Getúlio

1934

Casamento com Edméa de Carvalho Brandão. 

Intentona comunista

1935

Estado Novo – Ditatura de Getúlio

1937

Efetivação, por concurso, na Cátedra da Faculdade Nacional de Arquitetura.

Levante integralista

1938

Invasão da Polonia.
Começa a 2ª guerra

1939

Nomeação para Professor de Instituições de Direito Civil e Comercial da então Faculdade de Ciências Econômicas e Administrativas, transformada, posteriormente, em Faculdade Nacional de Ciências Econômicas da Universidade do Brasil.

1940

Por concurso, torna-se Catedrático de Direito Civil da Faculdade Nacional de Direito da Universidade do Brasil. 

1941

Professor de Direito Romano na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, desde sua fundação.

1941 a 1945

Diretor da Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil.

1943

Delegado brasileiro à I Conferência de Ministros da Educação das Repúblicas Americanas, no Panamá.

Dia D

1944

Termina a 2ª guerra
Deposição do Getúlio

1945

2ª eleição de Getúlio

1951

Delegado brasileiro à IV Reunião da Consulta dos Chanceleres Americanos, em Washington, D.C.

1952 a 1957

Diretor do Banco Moreira Salles S.A.

1952

Membro da Corte Permanente Internacional de Arbitragem, em Haia.

Jurisperito da ONU no Comitê sobre Obrigações Alimentares e Execução de Sentenças no Estrangeiro, em Genebra.

1953

Delegado do Brasil à III Reunião do Conselho Interamericano de Jurisconsultos, em Buenos Aires.

1954

Conselheiro da Delegação Brasileira à IV Reunião do Conselho Interamericano Político e Social, no Rio de Janeiro. 

Eleição de Juscelino

1955

1955 a 1958

Membro e Presidente, a partir de 12 de maio de 1955, da Comissão Jurídica Interamericana, com sede no Rio de Janeiro.

1958 a 1959

Proprietário e Diretor do Jornal do Commercio, no Rio de Janeiro.

1958

Eleição para Deputado Federal pelo PTB de Minas Gerais. 

Revolução Cubana

1959

Conselheiro da Delegação Brasileira à V Reunião de Consulta dos Chanceleres Americanos, em Santiago do Chile. 

1959 a 1963

Primeiro mandato de Deputado Federal.

1960

Vice-Presidente da Comissão Executiva do PTB.

Candidato, sem êxito, nas eleições a Vice-Governador de Minas Gerais, na chapa de Tancredo Neves.

Agrava-se a guerra fria – Baia dos Porcos
Eleição e renúncia de Jânio Quadros

1961

Indicação, pelo Presidente Jânio Quadros, para a Chefia da Delegação Permanente do Brasil na ONU e renúncia ao mandato de Deputado Federal, em 24 de agosto.

1961 a 1962

Ministro das Relações Exteriores no Governo Parlamentarista de Tancredo Neves, sendo Presidente João Goulart.

Como Ministro do Exterior, chefia a Delegação brasileira à VIII Reunião de Consulta dos Chanceleres Americanos em Punta Del Este, realiza viagens à Argentina, Uruguai, Suíça, Polônia, Israel e Vaticano, e acompanha o Presidente João Goulart aos Estados Unidos e ao México.

Crise dos misseis em Cuba
Conferência de Punta
del Este

1962

Indicação para presidir o Conselho de Ministros do Governo Parlamentarista de João Goulart, sendo derrotado na Câmara dos Deputados, nas sessões de 27/28 de junho.

Reeleição para Deputado Federal pelo PTB de Minas Gerais.

1963

Ministro da Fazenda do Governo Presidencialista de João Goulart.

Vice-Presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados.

É escolhido primeiro “Intelectual do Ano”, Prêmio Juca Pato, pela União Brasileira de Escritores.

Como Ministro da Fazenda realiza viagem oficial aos Estados Unidos.

É eleito “Homem de Visão 1963” e, na ocasião em que recebeu o prêmio, profere memorável discurso.

Golpe Militar no Brasil

1964

Morre no Rio de Janeiro.